Alguns metais presentes na natureza e no solo são vitais para a saúde do ser humano. Porém em excesso a presença desses metais pode causar graves problemas de saúde, principalmente a longo prazo.

Por sua presença no solo, é comum que muitos desses metais estejam em elevada concentração em poços artesianos. Veja abaixo os metais mais comuns em poços artesianos e os males que podem causar para a saúde.

Lembre-se sempre: o problema tem solução, a água de poço pode ser tratada para ficar potável. A solução é personalizada de acordo com uma análise físico-química da água.

Ferro

De longe o mais comum nos solos brasileiros, chega a ser o problema recorrente de 70% dos poços artesianos, o excesso de ferro vai muito além de mau cheiro, roupas e louças do banheiro com manchas amareladas e incrustações nos canos.

O ferro em excesso no organismo é tóxico e provoca diarréia, vômito e lesões do trato digestivo.
Em excesso por longo prazo ou por causas hereditárias, a hemocromatose, que é a doença causada pelo excesso de ferro é potencialmente fatal, mas pode ser tratada. Os riscos são cirrose, câncer de fígado, diabetess, problemas cardíacos, manchas na pele, artrite, infertilidade, impotência, hipotireoidismo e fadiga crônica.

Manganês

Outro metal essencial para processos da saúde humana, o manganês em demasia afeta o sistema nervoso.

Apesar da carência de manganês ser também muito ruim para o organismo, o excesso pode provocar sintomas parecidos com os causados pela doença de Parkinson, como tremores, fraqueza e rigidez muscular.

Considerado um metal pesado e tóxico, pode ainda causar impotência, insônia e dor de cabeça.
Esse metal também é comumente encontrado em excesso na água de poços artesianos, junto com o ferro.

Cálcio

A presença de cálcio nas águas subterrâneas provoca o fenômeno conhecido como água dura (em combinação com magnésio e outros), quando a água em contato com sabões e detergentes não forma espuma, além de incrustações em canos e tubulações.

Sua ingestão em excesso pode trazer riscos, como o surgimento de pedras nos rins e até ataques cardíacos. Fraqueza, alterações de humor, confusão mental também são sintomas do exagero.

Em todos os casos, para que a água do poço esteja totalmente liberada para o consumo, é preciso fazer um tratamento personalizado a partir da análise da água. Caso a análise não seja feita, você corre o risco de não ter o problema resolvido e ter que investir muito mais depois. Não aceite soluções que não contemplem a análise da água.

Um especialista também é indicado para determinar a vazão da bomba e capacidade do poço para o cálculo do sistema de tratamento da água.

Existem soluções no mercado que fazem o tratamento da água utilizando químicos. A Fusati oferece uma solução sem depositar mais químicos na água, mas utilizando oxidação catalítica do ferro e manganês pelo próprio oxigênio dissolvido na água. O elemento filtrante presente no equipamento é composto por um catalisador que promove a oxidação e através de mineiras especiais ocorre a adsorção, ou seja, a fixação das moléculas de ferro e manganês formadas. Esses óxidos são totalmente eliminados através de contra-lavagem com a água tratada, recuperando o filtro sem necessidade de regenerações químicas.
Assim o filtro de água para poço torna a água adequada para consumo humano, segundo a portaria 2914/2011. O sistema de remoção de ferro e manganês desenvolvido pela Fusati é compacto e pode ser automatizado.

A Fusati está no mercado há mais de 30 anos oferecendo soluções em filtração e tratamento de água.
Entre em contato pelo e-mail fusati@fusati.com.br , pelo whats app (19) 99608-0239 ou pelo telefone (19) 3301-6666.

Share This